Thursday, December 06, 2007

Não, eu não sou único

E a prova são as pessoas que trabalham comigo.

Ele está a trabalhar quando recebe uma chamada. Atende, segura o telemóvel com a cabeça encostada ao ombro, continua a programar, e diz:

- Não, 'mor... Ainda estou a jogar à Sueca, ainda demoro...

Mas nada comparado com aquela vez em que, casados de fresco, ela lhe está a descrever o que vai ser o jantar e, quando menciona que vai partir o esparguete, ele lhe diz, muito ternurento:

- Minha querida, queres morrer?

Claro que isto, vindo de um moço que, antes de casar, no messenger, tinha a namorada num grupo isolado chamado "Noivas"...

Será que ele estava a contar acrescentar mais gente àquele grupo?

[...]

Alto, estava eu a preparar-me para publicar este post quando o telemóvel dele toca outra vez e ele atende a dizer:

- Telepizza, boa noite...

E ainda falam de mim... cof, cof...