Monday, April 28, 2008

Academia Militar

Foi há já algum tempo que passei duas semanas na Academia Militar, em formação de liderança.

Sei que tenho muitos amigos a aguardar, desde então, que escreva sobre o assunto.

Acontece que, quando as coisas são a sério, é sempre preciso algum tempo para digerir...

Eu precisei de mais de 6 meses.

Faço tenções de escrever mais sobre o assunto, mas de momento ficam algumas notas soltas.

De 0 a 20

Algures entre o 19 e o 20.

Foi sem dúvida a melhor experiência que tive até hoje a muitos níveis.

E eles, percebem do assunto?

E de que maneira.

Senão vejamos: o exército português já existe há uns 900 anos.

Qual é a principal tarefa de um exército?

Liderar.

Ora com 900 anos a liderar...

Estão a ver como os samurais eram tão bons a combater porque já o faziam há milhares de anos?

Pronto, perto de um milénio de liderança também trouxe bons resultados.

Fiquei especialmente surpreso quando me deparei com várias publicações (tanto revistas como livros) de extrema qualidade e que não chegam ao público cá fora...

Sim, há lá livros de liderança que não estão (que eu saiba) acessíveis ao público em geral.

Mas e passar a mensagem, conseguem?

Claro que conseguem, e de uma maneira mais pedagógica que muitos professores extremamente conceituados que eu já tive...

Nas 17 horas diárias de actividades (o descanso que tínhamos era para dormir, das 00h00 às 07h00, e pouco mais), tudo estava preparado ao pormenor, e muitas das actividades tinham objectivos que nos ultrapassavam.

Por exemplo: rapel australiano.

E dizem vocês: mas o que é que isso tem a ver com liderança?

À primeira vista, nada, não é?

Mas o que é certo é que as pessoas reagem de forma diferente ao stress e aos desafios.

Neste exemplo, algumas pessoas vão logo sem pensar, outras recusam-se, outras ponderam e finalmente arriscam, algumas ficam paradas a meio...

E só depois do exercício estar completo é que nos explicam o que se passou, porque desempenhámos aquela actividade, que paralelos podemos criar com o mundo profissional, e o que podemos tirar daquela experiência.

Mas espera aí... disseste... 17 horas diárias?

Sim, disse.

Foram 14 dias assim.

Como disse, tudo estava pensado ao pormenor, e essa carga horária, as actividades, as refeições, e tudo mais, não eram excepção.

Reparem... Não há melhor maneira de compreender o stress do que passar por ele...

Já me fiz entender?

Sim, senhor... Mais algum ponto de relevo, de momento?

Sim.

Um muito obrigado aos formadores e aos cadetes que nos acompanharam.

Grande experiência.

Thursday, April 17, 2008

Grande desculpa

E sem mais nem menos ela diz-lhe:

- Sou maníaco-depressiva, por isso posso fazer destas coisas.

Bela desculpa, hein?

Quando for grande...

Quando for grande, também quero comandar uma Battlestar!

Senão vejamos:

Edward James Olmos nasceu em 1947.

edward olmos.png

Talvez o conheçam da fabulosa série Battlestar Galactica, onde comanda a Battlestar com o mesmo nome (num post futuro falo-vos sobre a série).

O que pouca gente sabe é que este homem tem uma relação com Lymari Nadal, a belíssima actriz do American Gangster, nascida em 1978.

lymari.png

Nascida, portanto, quando ele tinha 31 anos.

Pois é...

Battlestar...

Miúda 31 anos mais nova...

edward olmos e lymari.png

Sim senhor, hã?

Está feito! Planos para o futuro: comandar uma Battlestar!

Eu vou só ali comprar umas fraldas, que pode ser que a mulher da minha vida um dia desses... nasça!

Viagens para este ano

Depois do post da Bad e de um comentário por parte de uma outra pessoa próxima, fica aqui a minha pequena lista de viagens programadas para este ano:


  • Chicago, E.U.A.

  • Tóquio, Japão

  • Copenhaga, Dinamarca



E o que é que falta aqui, então?

Costa Rica, pois!

Wednesday, April 16, 2008

Nick Cave, o cantor bipolar

Dizia uma amiga minha e eu concordo:

- Há dois Nick Caves!

É verdade.

Um deles é calmo. É negro, apaixonado e pessimista. Escreveu músicas como Straight to You, Ship Song, Weeping Song e Into My Arms. A sua voz, ao cantá-las, chega a ser tão triste que ao ouvi-las uma pessoa até tem pena do cantor.

O outro é mais arruaceiro. É mau, tem poucos amigos e parte tudo. Escreveu músicas como Tupello, Jack the Ripper, Mercy Seat e John Finn's Wife. A sua voz, ao cantá-las, chega a ser tão forte que ao ouvi-las uma pessoa até tem pena de quem se meter no seu caminho.

Este segundo, agora já mais velho e aparentemente um pouco mais calmo, deixou crescer o bigode, lançou um novo disco e vem a Portugal apresentá-lo.

Dig, Lazarus, Dig!!!

Já dia 21 de Abril.

Tu dá-lhe, Nick!

Monday, April 14, 2008

Notas soltas

Seguem-se algumas notas soltas que demonstram claramente duas coisas:

- ainda estou vivo;

- continuo no continente errado.

Ora vejamos...

Sushi

Estou com uma saudade enorme de comer sushi. Aceitam-se convites.

Japonês

As aulas de japonês continuam a avançar.

Já consigo formular frases como "Vamos tomar um copo a tua casa?"

Não é uma frase muito comum, bem sei, e a maioria dos leitores provavelmente preferiria saber dizer "Na tua casa ou na minha?" Mas reparem... Uma vez lá, a minha casa vai estar inconvenientemente longe!

Japão

Falta menos de um mês para ir ao Japão!

Já há uma série de planos, mas a única coisa de que tenho a certeza é que aquelas duas semanas vão saber a pouco...

YAPC::Asia

Esta conferência vai ser a maior YAPC até à data.

Já fiz apresentações para mais de 400 pessoas, mas desta vez o número de inscrições já ultrapassou as 500!

Entre várias centenas de japoneses vão estar também presentes na conferência 10 americanos, 5 sul-coreanos, 2 irlandeses e alguns solitários de outros países: Israel, Portugal (adivinhem quem), China, Tailândia, Canadá, Alemanha (a título informativo, um dos tipos por detrás do jquery), Suécia e Áustria. Exactamente 25 outsiders :-)

Resta dizer que, uma vez mais, tenho uma keynote de abertura e uma talk de fecho por minha conta.

E como não poderia deixar de ser... As japonesas

As miúdas japonesas conseguem mesmo ser muito sexys. Obrigado ao Miyagawa por me ter apresentado as Perfume e a sua música "Secret Secret":



Enfim, se calhar são o equivalente às nossas girls bands, e possivelmente até será por ainda não perceber tudo o que elas dizem que a música me soa bem, mas pelos menos sempre são mais giras.